Mudas de Arvores Nativas

Venda de mudas, produção de mudas, mudas para reflorestamento: jeriva, mudas de palmeira imperial, mudas de palmeiras triangular, mudas de coqueiro, mudas de coqueiro anão, mudas de palmeiras leque, mudas de palmeira fenix, mudas de arvores nativas, mudas de jabuticaba, mudas de jabuticabeira, mudas de arvores nativas, mudas florestais, mudas frutiferas.

PALMEIRAS IMPERIAIS

MUDAS DE PALMEIRA IMPERIAL



Palmeira Imperial

 


A Palmeira Imperial (Roystonea oleracea (Palmae)) é uma palmeira originária das Antilhas , que pertence ao género botânico Roystonea da família Arecaceae.

Foi aclimatada pelos franceses no jardim botânico La Gabrielle, instalado na Guiana Francesa, e depois transferida para o Jardin de Pamplemousse . No Brasil o primeiro exemplar de Roystonea oleracea, a Palma Mater, foi plantada no Jardim Botânico do Rio de Janeiro pelo príncipe regente D. João VI, em 1809 . Fora presenteada a D. João VI por um dos sobreviventes da fragata, o oficial da Armada Real Luís Vieira da Silva. Por um erro histórico dizia-se que tinha sido trazida do Jardim Gabrielle, de onde vieram muitas plantas, principalmente durante as guerras napoleônicas. Porém o Jardim Gabrielle era nas Guianas e as primeiras plantas que chegaram ao Brasil, na verdade, vieram das ilhas Maurício, do Jardim La Pamplemousse, obtidas clandestinamente por Luiz de Abreu Vieira e Silva, que as ofereceu a D. João VI. Quando foi plantada por D. João VI a primeira Roystonea oleracea (Palmae) brasileira passou a ser conhecida como Palmeira Imperial. A Palma Mater floresceu pela primeira vez em 1829.

Deste exemplar plantado em 1809 descendem todas as Palmeiras Imperiais do Brasil, daí sua denominação de Palma Mater. A Palma Mater foi destruída por um raio em 1972. Tinha, naquela época, 38,70 metros de altura. O tronco foi preservado e encontra-se em exposição no Museu Botânico. Em seu lugar, foi plantado outro exemplar, simbolicamente chamado de Palma Filia, oriunda de uma semente da palmeira original.

Segundo Roseli Maria Martins D’ Elboux, mestre em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo, o plantio das palmeiras imperiais se tornou comum no Rio de Janeiro em meados do século XIX, diante da “necessidade do fortalecimento simbólico do II Império". Pode ser procedente a história segundo a qual as sementes da palmeira imperial foram distribuídas aos súditos como sinal de proximidade ou lealdade ao poder central, e tenha assim se tornado o "simbolo do Império". "Desse modo, depois de alguns anos, a espécie vincula-se definitivamente à imagem do poder monárquico, à idéia de nobreza, distinção e classe


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.



Mande um e-mail: florestamudas@gmail.com
Fone: (014) 3441-3501 - (011) 3042-7491